<$BlogRSDUrl$>

Nietzsche & Schopenhauer

Um blog optimista sobre o Benfica. setezero@iol.pt

sexta-feira, janeiro 23, 2004

.
.
Última Vontade. Morrer assim / como outrora o vi morrer – , / o amigo que lançou relâmpagos e olhares / divinos na minha escura juventude: / – malicioso e profundo, / um bailarino na batalha –, // entre guerreiros o mais jovial, / entre vencedores o mais grave, / um destino sobrepujando o seu destino, / duro, pensativo, clarividente –: // estremecendo porque vencia, / exultando porque morrendo vencia –: // ordenando, ao morrer, / – e ordenou o aniquilamento... // Morrer assim / como outrora o vi morrer / vencendo, aniquilando... Nietzsche
posted by slb  # 9:25 da manhã

terça-feira, janeiro 20, 2004

.
.
Ventos. Se calhar o gaijo tem razão... o melhor é arrumar as botas, se não ainda acabo como este sem abrigo. Frederico
posted by slb  # 4:08 da tarde

quarta-feira, janeiro 14, 2004

.
.
Taça. Porque será que hoje me sinto tão confiante? Frederico
.
.
Europa. Estão explicadas as dificuldades de acesso à web nos últimos tempos para os lados do Porto. Para a próxima vão disponibilizar uma linha dedicada de forma a não entupir o serviço. Frederico
posted by slb  # 9:55 da manhã

segunda-feira, janeiro 12, 2004

.
.
Leiria. A esperança é a última coisa a morrer. Infelizmente é verde. Frederico
posted by slb  # 8:19 da manhã

quinta-feira, janeiro 08, 2004

.
.
Fair-play? «Acho mal agressões e falta de "fair-play", mas um jogador não se vai atirar para o chão nunca mais? Faz parte do jogo. Nunca instruí ninguém nesse sentido, moralmente não é correcto, mas não vamos fazer disso um drama. Sou Santos mas não sou santinho, por isso não vou dizer a um jogador para não se mandar». Ó engenheiro, tem de ir já confessar-se. Isto parece-me muito pouco católico... Frederico
posted by slb  # 11:38 da manhã

terça-feira, janeiro 06, 2004

.
.
Demasiado Azul. Será que o Aviz vai postar sobre a última noite? Mesmo o mais corajoso de nós só raras vezes tem a coragem de afirmar aquilo que ele propriamente sabe... Frederico
posted by slb  # 9:35 da manhã
.
.
Feitiço. Sou acusado por um gaijo de ser ave de mau agoiro. Há quem leve galinhas para o campo, amuletos para a baliza, entre em campo com o pé direito, contrate o bruxo Alexandrino, vire-se de costas na altura do penalti, use sempre a mesma camisola ou gravata. Eu desconfio de todos os sistemáticos e afasto-me do seu caminho. A vontade de sistema é uma falta de honestidade. Frederico
posted by slb  # 9:12 da manhã

segunda-feira, janeiro 05, 2004

.
.
De facto. Não foi penalti. De facto, ficou um cartão por mostrar logo no início do jogo. De facto, o Ricardo fez duas ou três defesas em bolas de golo. De facto, no dia 1 o plantel esteve de folga. De facto, pareceu que ontem também estavam. Frederico
.
.
Benfiquista. Nada como um árbitro benfiquista nos jogos do Glorioso. Já Carlos Valente – um benfiquista de Setúbal – sabia mostrar em campo a sua imparcialidade de forma a não deixar qualquer tipo de dúvidas em relação à sua honestidade. Frederico
posted by slb  # 2:58 da tarde

sexta-feira, janeiro 02, 2004

.
.
Loucos. Para o David «algo está a mudar, algo de bom se aproxima...». Desgraça. Estamos a ficar velhos, cansados e optimistas... Frederico
posted by slb  # 5:08 da tarde
.
.
Expectativa. Diz o Carlos Nuno que se «contentava com um relâmpago de alegria no domingo» e que «as expectativas são para administrar a conta-gotas». Verdade. Às vezes, uma gota faz toda a diferença... Frederico
posted by slb  # 5:04 da tarde

quarta-feira, dezembro 31, 2003

.
.
.
Bom presságio. Há dez anos nasceu a minha primeira filha. Há dez anos (2003/2004) foi o glorioso campeão pela última vez. Há dez anos, a Joana chorou seis vezes de alegria enquanto eu assistia na televisão a um jogo de boa memória. O Manuel, que apenas tem alguns dias, já chorou três vezes. Será isto um bom sinal? Frederico
.
.
.
Regresso. Caro Artur estou de volta. Agora que o novo benfiquista se instalou, posso voltar às lides. Frederico

posted by slb  # 9:43 da manhã

segunda-feira, novembro 10, 2003

.
.
Até segunda. Meu caro Frederico, não estarei por aqui durante os próximos dias. Saudações. Artur
posted by slb  # 5:57 da tarde
.
.
Rir. Mesmo a ganhar somos gozados. Temos de ir ao médico. Frederico
posted by slb  # 9:06 da manhã
.
.
Recordações. Histórias. Curtas, extensas, dramáticas ou humorísticas, mas com muitos pormenores. Os dias, por exemplo. Qualquer adepto tem, quando conta as suas histórias de futebol, um dia que nunca esqueceu. Um golo, uma defesa de génio, uma jogada de outro mundo, a conquista de uma taça europeia ou de um campeonato. Pego no calendário e folheio: 2003, 2002, 2001, 2000, 1999, 1998, 1997, 1996, 1995. Não vale a pena tentar repetir. Há cerca de dez anos que não há nada para recordar. Recordações, boas recordações de um dia de futebol. O Benfica é um clube sem histórias. Artur
posted by slb  # 12:05 da manhã

domingo, novembro 09, 2003

.
.
Espécie esculhambada II. Não percebo. Tanta limpeza na RTP e não se lembraram de limpar o pó, o imenso pó que envolve a repartição de desporto. Esses funcionários representam o que há de pior no benfiquismo. O jogo em Alverca provou-o pela milésima vez. Artur
posted by slb  # 9:35 da tarde
.
.
Espécie esculhambada. Desde logo, Simão a capitão. Depois, aqueles dois senhores, Armando e Fernando Aguiar, a jogarem noventa minutos. A vitória, nestas circunstâncias – medonhas circunstâncias – cobre os adeptos com o manto do enxovalho. Só apetece repetir, até à exaustão, aquela frase de João Ubaldo Ribeiro: «Ô espécie esculhambada que nós somos.» Artur
posted by slb  # 9:33 da tarde

sexta-feira, novembro 07, 2003

.
.
Não acendia. É uma imagem recorrente. Adeptos nas bancadas a fumar charuto. Na Luz, por exemplo, encontram-se ainda alguns bravos sobreviventes. Nada tenho a apontar. Aliás, os meus Ramon Allones - os cubanos, meus caros, os cubanos - estão guardados, hoje, para receber grandes amigos. Admiro, portanto, a capacidade desses senhores, dos adeptos. Passo a explicar. Há pouco tempo tentei acender o meu Beldina em casa. Esforço em vão. Recusava acender-se - com aquela elegância particular do charuto feito por mãos micaelenses. Tentei várias vezes. Percebi, enfim, que não havia nada a fazer. Ele tinha razão. O verdadeiro prazer nunca seria possível. Não com o Benfica numa televisão ali tão perto. Aprendi, meus amigos, a lição - esta eterna lição. Artur
posted by slb  # 10:15 da manhã

quinta-feira, novembro 06, 2003

.
.
Riso louco. O riso louco de Isaías depois dos golos. Sim, rematava muito - talvez demasiado. Mas quem não recorda aquele riso de gozo louco? Absolutamente louco. Artur
.
.
A Branca de Neve. Como será o futuro do Benfica? É muito simples. Basta ver o filme de César Monteiro. Está lá tudo. Artur
posted by slb  # 5:23 da tarde
.
.
Temos equipa. Tenho por adquirido que qualquer instituição bancária deve passar para o exterior uma imagem de credibilidade e rigor. É o mínimo. Pois bem, como todos sabemos, há uma instituição - não é necessário escrever o nome - que junta ao símbolo do Benfica, entre outros ícones futebolísticos, o slogan «Temos equipa». Aparece há muito na televisão. Rigor e credibilidade, lembram-se? Está nos manuais mais baratos, caramba. Artur
posted by slb  # 4:35 da tarde

terça-feira, novembro 04, 2003

.
.
Obrigatório. Depois de «Ditosa Pátria», não se deve perder o «Futebol e Glória Nacional», no Aviz Leitura obrigatória. Artur
posted by slb  # 6:07 da tarde
.
.
Matrimónio, esse fatalismo. A ligação de muitos adeptos ao Benfica assemelha-se, com todo o apuro, a tanto casamento fracassado que domina este país. As expectativas sobre o que de bom se pode esperar da relação desapareceram há muito, mas ainda assim prolongam-na por anos e anos. E anos. De facto, por vezes, não sei se é o Benfica o espelho do país ou se é exactamente o contrário. Artur
posted by slb  # 5:53 da tarde
.
.
Reforços. Prometem-nos agora para Janeiro. Mas reforçar o quê? Frederico
posted by slb  # 9:11 da manhã

segunda-feira, novembro 03, 2003

.
.
Caro Artur. A espera é angustiante. A minha e a dos adeptos benfiquistas. A minha, eu sei, tem um fim anunciado, mas a dos benfiquistas é difícil de calcular. Frederico
posted by slb  # 8:59 da manhã

domingo, novembro 02, 2003

.
.
Ultrajante. Não, não foi a derrota. Nada podia ser mais justo. Agora, o facto de o senhor de nome Armando ter jogado mais de dez minutos, isso sim, foi ultrajante. Artur
posted by slb  # 11:05 da tarde

sábado, novembro 01, 2003

.
.
Mais de 90%. Até no resultado... Artur
posted by slb  # 10:51 da tarde

sexta-feira, outubro 31, 2003

.
.
Abismo. Deixemos de parte os primeiros trinta minutos nas Antas. O futebol que o Benfica vem praticando podia ser classificado, entre outros tantos epítetos, de «futebol de jardim de infância». Não arrisca, comete erros infantis, faz birra e ninguém joga como Derlei - no limite. Jogar na limite do abismo, uma das expressões de Javier Marías, é um dos traços dominantes de uma grande equipa. É mais perigoso, certamente. No futebol, só os medíocres têm medo. Artur
posted by slb  # 6:14 da tarde
.
.
Nunca mais é sábado. Sim, é só isto. E já é tanto, meus senhores. Artur
.
.
Simão e Roger. Dois golos fantásticos, é verdade. E então? Leiam Armando Nogueira, cronista brasileiro, por exemplo. «Meus amigos, gol de craque não é apenas um chute perfeito; é, também, a sucessão de lampejos que precede um disparo.» Artur
.
.
Colhudeiro. «Esta palavra admirável que tem na Bahia para designar mentirosos de primeiro time», escreveu João Ubaldo Ribeiro. Hoje é o dia de escolherem qual é o melhor. Artur
posted by slb  # 12:07 da tarde

quarta-feira, outubro 29, 2003

.
.
Tentação. Não resisto. Então aqui vai: apareça um candidato que traga Santiago Solari ou Pablo Aimar e apoiá-lo-ei até ao limite das minhas forças. Ponto final. Artur
posted by slb  # 7:08 da tarde
.
.
Trauliteiro, asqueroso, imbecil. Parei durante pouco mais de um minuto. Até ao momento em que vi que o senhor António Figueiredo, porta-voz da actual direcção, também participava no programa. Nunca pensei que este trauliteiro, asqueroso e imbecil ainda estivesse activo. De facto, não há solução, este clube agarra tudo. Artur
posted by slb  # 7:01 da tarde

terça-feira, outubro 28, 2003

.
.
Discursos. Embora com atraso, não quero deixar de referir o facto inusitado de o novo estádio da Luz ter sido inaugurado ao som da verborreia sportinguista. Ele foi o Sampaio, ele foi o Loureiro, ele foi o Santana, ele foi o Durão... o povo não gostou e vingou-se. Frederico
posted by slb  # 8:02 da tarde
.
.
Luz. «Já brilha», diz um pasquim desportivo – e faz uma barulheira dos diabos, digo eu. Frederico
posted by slb  # 7:40 da tarde
.
.
Verdade integral. Não foi um cronista desportivo assíduo como Nelson Rodrigues ou José Lins do Rego. Nem precisava. Paulo Mendes Campos, poeta, tradutor, repórter, junta-se ao olimpo dos mestres brasileiros na arte de contar «a bola». Adepto do Botafogo, viu de perto uma geração de craques como Garrincha - bastava só Garrincha. Talvez por isso, escreveu: «A verdade integral é a bola. O futebol paixão. Esse amor que faz um homem de quarenta e tantos anos sofrear o sono da fadiga para rememorar em câmara lenta o gol de cobertura que fez pela manhã.»

P.S. – Enquanto o foclore eleitoral benfiquista não acaba, o melhor antídoto é, sem dúvida, revisitar velhos cronistas, velhos contadores de histórias da «bola». Velhas memórias, mesmo que distantes. Mesmo que do outro lado do mar. «A verdade integral é a bola.» Artur
posted by slb  # 2:45 da tarde

segunda-feira, outubro 27, 2003

.
.
Notas de uma inauguração III. O cabelo de Simão. Um senhor de nome «Barbas» a comer, literalmente, a relva. O discurso de Fialho Gouveia. A águia a comer carne. O golo sofrido. A exibição possível da terceira equipa do Nacional de Montevideu. O pontapé de Eusébio. Os olhos em lágrimas do autarca Pedro Santana Lopes. O tinto, a bifana e os vários barretes. «No dia em que a criatura humana perder a capacidade de admirar, cairá de quatro, para sempre», escreveu Nelson Rodrigues na Manchete Desportiva . Artur
posted by slb  # 7:25 da tarde
.
.
Notas de uma inauguração II. Sim, só dois ou três jogadores mereciam, em condições normais, jogar na inauguração do novo estádio - condições normais que, sabemo-lo, não se verificam há dez anos. Adiante. Mesmo no estado actual, e por respeito pelos adeptos, Fernando Aguiar nunca poderia ter pisado aquele relvado. Não entrar, de todo, na Luz seria a melhor solução. Como tal não foi possível, então o jogador deveria ter ficado na fase de aquecimento até ao final da festa. Era o mínimo. Artur
posted by slb  # 7:19 da tarde
.
.
Notas de uma inauguração. Os assobios, em uníssono, pretenderam humilhar o primeiro-ministro. No entanto, no final do discurso, milhares de adeptos aplaudiram o «Viva ao Benfica» do senhor Durão Barroso. Humilharam-se a si próprios. Será que nunca vão aprender? Artur
posted by slb  # 7:17 da tarde
.
.
Estádio. Casa já temos. Agora é preciso arranjar mobília a condizer. Frederico
posted by slb  # 8:23 da manhã

sexta-feira, outubro 24, 2003

.
.
Um mestre. Do passe longo, sobretudo. A propósito de Didí, um dos maiores mestres na criação de jogo de sempre, escreveu Eduardo Galeano: «Didí jogava parado. Mostrando a bola, dizia: ‘É ela quem corre’.» Amanhã, já o escrevi, não estarei presente na inauguração. Por muitas razões – algumas aqui desenvolvidas. Mas, sobretudo, porque sei que ali, no novo estádio, serão os jogadores a correr, desaforidos, atrás da bola, sem que, por um único momento, alguém se lembre de Didí. Artur
posted by slb  # 5:46 da tarde

quinta-feira, outubro 23, 2003

.
.
22 de Outubro. É uma das melhores imagens desportivas deste ano. O FC Porto vence em qualquer estádio e os seus jogadores e técnicos mantêm a serenidade de verdadeiros campeões – não, não referi o presidente. A excepção foi a final da Taça UEFA, onde o senhor José Mourinho foi vencido pela euforia. Mesmo para quem, como eu, não gosta de exaltações, reconhece-se que existia uma forte – demasiado forte – justificação para a corrida em saltos do treinador. Ontem, em Marselha, o Porto respirou, mais uma vez, aquela serenidade de vencedor. Ontem, em Lisboa, o senhor João Malheiro apresentava o novo CD «Benfica – O disco da nova catedral», os jogadores apelavam aos adeptos para vestirem roupa vermelha na inauguração, a verborreia eleitoral continuava rasteira, a equipa treinava para um jogo sem história, mas que terá 65 mil sócios assistir. Enfim, o dia de ontem, mais uma vez, marcou a diferença. A diferença entre o foclore típico de clubes provincianos e a serenidade dos campeões. Artur
posted by slb  # 3:54 da tarde
.
.
Jaime Antunes. Nasceu há 49 anos, em Ourém. Ourém... Se tivesse sido ao lado, em Fátima, talvez conseguisse o tal milagre. Frederico
posted by slb  # 9:06 da manhã
.
.
Vilarinho. «Parece um milagre. Tenho muitos cabelos brancos à custa deste estádio». E eu a pensar que era por causa dos resultados da equipa de futebol... Frederico
posted by slb  # 8:59 da manhã

Archives

08/01/2003 - 09/01/2003   09/01/2003 - 10/01/2003   10/01/2003 - 11/01/2003   11/01/2003 - 12/01/2003   12/01/2003 - 01/01/2004   01/01/2004 - 02/01/2004  

This page is powered by Blogger. Isn't yours?